Residencial Terapêutico
Bem-estar

Transtorno de pânico ou o medo de ter medo…

12 de setembro de 2017
Share on FacebookShare on LinkedInTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someonePrint this page

“Eu não tenho mais condições de ser quem eu sou” – Padre Fábio de Melo

O que pensamos quando assistimos ao padre Fábio de Melo relatar seu sofrimento por ter sido acometido pelo transtorno de pânico? Podemos nos perguntar como alguém que julgamos culto, carismático, possuidor de fé, bem-sucedido, capaz de animar nossas vidas com seus livros e suas mensagens caridosas possa esconder-se embaixo de uma cama e clamar pela presença de sua mãe? Pois uma entre nove pessoas sofre de ansiedade em algum grau, que pode variar de leve a profunda (aquela que traz prejuízos enormes), do tipo faltar ao trabalho, aula ou até mesmo deixar de ir a festas e ter o convívios com amigos. Quando a ansiedade é intensa, sintomas somáticos manifestam-se: dores no corpo, tonturas, falta de ar, vertigens, suor em excesso confirmam e dão a sensação de que algo não vai bem. A pessoa passa mal e então fica a certeza de que alguma coisa está acontecendo mesmo.

Mas de onde surgem os ataques de pânico? A hereditariedade é uma das possibilidades, então, histórico de antecedentes na família podem justificar tal ocorrência. Também podem ser causas alguns fatores de origem psicológica, de estresse ou mesmo uma predisposição orgânica que aflore quando sob efeito de algum medicamento ou então de substâncias, como o álcool, a maconha ou a cocaína, por exemplo. Em muitos casos, não é necessária a existência de um fator externo para que o processo se inicie, ele parece surgir do nada, principalmente quando se trata de uma primeira vez! Depois de a pessoa sofrer com o primeiro quadro, ficará sempre a preocupação de que aconteça novamente, daí o medo de vir a sofrer medos.

Na entrevista, o religioso relata a ocorrência de um primeiro episódio há mais de dois anos e que também, no mês de março deste ano, ao perceber o sinal de uma nova crise, o medo de passar novo sofrimento fez com que recorresse imediatamente aos medicamentos.

Uma pessoa que esteja em meio a uma crise de transtorno de pânico merece uma atenção diferenciada. Devemos ser capaz de compreender que a melhora não está apenas no nível da razão, algo que pudesse ser resolvido apenas com alguns conselhos ou uma injeção de ânimo, motivacional. Seria como se disséssemos a uma pessoa cujas pernas estivessem engessadas para que tentasse participar de uma maratona: “…força, você consegue!”. A pessoa que sofre com uma crise de pânico precisa de um tratamento medicamentoso suficiente para que tenha condições de suportar a situação e de um tratamento psicoterápico capaz de propiciar a escuta que o caso requer. Quando perguntado, Fábio de Melo diz: “Estou bem melhor, graças a Deus. Medicado e vivendo um processo de recuperação diária. Sei que é por causa da química que já está em mim. O próximo passo é a análise (psicoterapia)”.

O tratamento psicoterápico é necessário e simultâneo ao medicamentoso, e a história de vida de cada um, em sua singularidade, é que dará o referencial para um bom prognóstico com a extinção dos medos e a possibilidade de superação destes difíceis momentos. Um espaço acolhedor, seguro, um momento para que a pessoa possa falar sem que se sinta ridicularizada, é o que pode propor a psicoterapia.

Fonte: César A R de Oliveira – psicólogo – WhattsApp 99981-6455


Usina Superior