Residencial Cristo Rei
Alimentação

Alimentação, sempre é possível melhorar (e aprimorar)

10 de outubro de 2016
Share on FacebookShare on LinkedInTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someonePrint this page

 

Quando o assunto é nutrição e alimentação, muitos de nós temos uma certa ideia de que precisamos comer frutas, verduras e comer menos gordura e açúcar. Entretanto, nem sempre seguimos alguns cuidados básicos e os argumentos são diversos: falta de tempo, falta de planejamento, preço dos gêneros alimentícios e até por falta de novas ideias.

Mas vale a pena sermos um tanto ousados e experimentar alimentos saudáveis que podemos encontrar em nossa cidade, em feiras livres, comércio de vegetais e de alimentos integrais, como é o caso de variar a farinha do bolo e do pão, por exemplo, pois podemos usar farinhas altamente nutritivas e ricas em fibras, como são as farinhas de aveia (rica em fibras que auxiliam no combate ao colesterol), farinha de banana verde e farinha de maracujá, estas duas últimas são grandes auxiliares no controle do açúcar no sangue, no caso da banana verde pela atuação do amido resistente e a fibra de maracujá auxilia no acréscimo de fibras na preparação e também auxilia no controle glicêmico.

Além das farinhas, o uso de especiarias e temperos naturais na preparação da comida é um item simples que incorpora mais saúde ao nosso dia a dia, sem contar no sabor. A cúrcuma, uma raiz que da coloração amarelada, é um potente alimento e pode ser usado tanto no arroz do nosso cotidiano, assim como no molho de tomate, em carnes. Esse é um alimento considerado funcional, pois além de conter vitaminas e minerais, tem ação na prevenção de determinadas doenças, especialmente a doença de Alzheimer, doenças do coração e cânceres.

Outro tempero natural altamente nutritivo e fácil de ser encontrada são as pimentas, que, além de realçarem o sabor dos alimentos, são eficazes na prevenção de doenças circulatórias, nas desordens gastrointestinais, inclusive na manutenção de peso e na produção de endorfinas, que são mediadores cerebrais responsáveis pela sensação de bem-estar. Entretanto muita gente não usa as pimentas pela acidez e pelo ardor provocado por elas, porém temos em nosso comércio diversos tipos de pimentas, como é o caso da pimenta rosa, de característica suave e pode ser encontrada em lojas de produtos naturais e integrais.

Já sobre as frutas, muitas pessoas iniciam e encerram o ano comendo geralmente as mesmas: mamão, banana, maçã e laranja. Mas moramos em um país riquíssimo na produção de frutas e vegetais em geral, claro que muitas são sazonais, mas podemos e devemos variar, incluir melão, abacate, manga, goiaba, pêra, ameixas, maçãs de qualidade diferente, algumas frutas regionais e um tanto exóticas, como as nêsperas (ameixas de inverno), o araticum ou fruta do conde, jabuticaba. Também podemos inserir com maior regularidade as frutas oleaginosas: nozes, castanhas, amêndoas. Na hora dos nossos lanches vale a pena mesclar, preparar um potinho com frutinhas picadas e inserir duas unidades de alguma fruta oleaginosa. Assim contribuímos para repor nutrientes diferentes e texturas diferentes também, que proporcionam maior saciedade.

Enfim, devemos lembrar a imensidade e riqueza de alimentos que temos disponíveis em nossa região, certamente planejando melhor nossa alimentação diária e ousando um pouco nas escolhas alimentares, podemos e certamente iremos nos surpreender com os diferentes sabores e contribuiremos com a nossa saúde e assim evitarmos a monotonia em nossa dieta.

 

Fonte: Marina Da Silva Pereira

Nutricionista – CRN2 9938 

Telefone: (54) 3314-4864 

mari_nutri@ymail.com


Usina Superior