Usina Superior
Beleza

Cicatrizes em cirurgias plásticas

24 de Março de 2017
Share on FacebookShare on LinkedInTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someonePrint this page

Muitos pacientes acreditam que a cirurgia plástica não deixa cicatrizes, mas na verdade, devido à natureza do corpo humano, todo o trauma que lesa um tecido, leva à formação de uma cicatriz. A qualidade dessa cicatriz é que varia: fina, alargada, plana ou grossa. Uma cicatriz de boa qualidade deve ser fina, plana, com coloração semelhante ao local em que está e bem posicionada, ou seja, fica quase imperceptível. Porém, alguns fatores para uma cicatriz de boa qualidade não são controláveis pelo médico, como a formação de queloides, que é um fato inerente ao paciente e não controlável pelo cirurgião.
Com aspecto endurecido e em alto relevo, o queloide estende-se ao longo da cicatriz e pode até mesmo causar coceira e dor no local. Segundo o cirurgião plástico Dr. Elias D. Maito, existem vários tipos de tratamentos eficazes tanto no combate ao queloide quanto para a prevenção de sua ocorrência. Importante sempre informar ao cirurgião se existe história familiar ou pessoal de queloide.
Outro tipo de cicatriz é a hipertrófica, que decorre de uma resposta exagerada da pele a uma intervenção cirúrgica ou ferimento, cicatriz essa que não ultrapassa os limites ou a extensão da incisão ou ferimento inicial e apresenta tendência à regressão. Para Maito, os cuidados pós-operatórios são essenciais para uma cicatriz ideal. “Evitar tomar sol, fazer esforços, use protetor solar, sempre. ”
Qualquer corte cirúrgico, por mais perfeito que seja, deixará sua marca, sendo assim, a cicatriz é inevitável. Converse com seu médico sobre suas expectativas com a cirurgia. Caso seja uma cirurgia estética, reflita se o problema o incomoda a ponto de preferir as cicatrizes causadas pelo procedimento.

Fonte: Dr. Elias D. Maito – Cirurgião Plástico – Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica


Usina Superior