Usina Superior
Bem-estar

Tive câncer, preciso fazer fisioterapia?

10 de novembro de 2017
Share on FacebookShare on LinkedInTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someonePrint this page

Essa é uma pergunta que muitos pacientes se fazem. Até mesmo um familiar ou outro paciente pode comentar ou perguntar: você não fez fisioterapia?

 

A fisioterapia oncológica é uma área relativamente nova, especializada em tratar e acompanhar os pacientes que tem ou tiveram câncer. Hoje em dia, o tratamento oncológico, sempre que possível, tende a ser mais conservador e a sobrevivência do paciente após o doença é importante, ou seja, além de tratar o câncer, a equipe médica se preocupa com a qualidade de vida que ele terá depois que for tratado.

Nem todos os pacientes irão precisar de fisioterapia oncológica, mas, se alguma parte do corpo apresenta dificuldades de movimento ou na força muscular, se há formigamento excessivo nas mãos e nos pés, se alguma parte do seu corpo está mais inchada do que o normal, se o paciente sente dores que dificultam a realização de atividades que fazia antes, é preciso de avaliação de um fisioterapeuta especialista na área.

O tratamento fisioterápico pode ser realizado em qualquer etapa do tratamento, seja após a cirurgia, durante a radioterapia ou durante a quimioterapia. É responsabilidade do fisioterapeuta diagnosticar as disfunções geradas a partir da doença e do tratamento e escolher e adequar as técnicas de acordo com cada caso.

Todos os pacientes com câncer podem ser beneficiados com a fisioterapia oncológica, especialmente aqueles tratamentos para câncer de cabeça e pescoço, tumores do sistema nervoso, câncer de pulmão, câncer de mama, câncer pélvico (urogenitais), câncer ósseo e sarcomas de partes moles (muscular e cartilaginoso) e cânceres que afetam o sistema circulatório (leucemias, linfomas e tumores vasculares).

Muitos pacientes acreditam que após a doença será muito difícil ou até impossível realizar as tarefas e atividades que ele tinha antes, e isso nem sempre é assim, eu diria que há uma saída, uma alternativa, e juntos, paciente e fisioterapeuta encontrarão uma nova possibilidade de realização dos afazeres do dia a dia. Vale lembrar que, quanto antes o paciente procurar auxílio, melhores serão os resultados atingidos e melhor será a vida que se levará após a doença.

 

Fonte: Dra. Carolina Mozzini – Especialista em Fisioterapia Oncológica, mestre e doutora em Ciências Oncologia – Crefito 5/82966-F – www.carolmozzini.com.br – Telefones: (54) 3632-8920 /  (54) 3311-6878


Usina Superior