Residencial Cristo Rei
Curiosidades

“Vida de prefeito solteiro é assim…”

Share on FacebookShare on LinkedInTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someonePrint this page

Leio que o prefeito de Porto Alegre posta em rede social uma foto de seu solitário jantar (algo requentado do meio-dia) com a alegação de que é resultado de sua vida de solteiro. Então, uma deputada retruca, chamando-o de ultrapassado, e a tréplica vem com mais impropérios da parte dele. Alguém já reparou como siglas partidárias, times de futebol, questões de gênero (dentre outras) suscitam trocas de farpas, falta de respeito mútuo e até mesmo – indiretamente – falta de respeito com quem acaba lendo aquilo que é jogado na internet?
Acontece que nos preocupamos com a violência dos assaltos (por que a do trânsito virou rotina) e banalizamos essa agressão verbal/visual que circula aos milhares em nossos computadores ou smartphones. Na semana passada, um amigo de longa data (e que continua sendo meu amigo) postou em grupo de WhatsApp uma foto de um carro-forte explodido em assalto e expondo parte de um corpo humano queimado, sob a alegação de “alertar” seus amigos de grupo sobre a onda de violência que nos assola. Ora, violência ele cometeu ao repassar tal aberração, e pude dizer-lhe isto sem constrangimentos justamente por prezar nossa amizade.
O mundo muda quando eu mudo, afirma um mantra oriental; a Paz no mundo começa em mim, diz o poeta. Cada vez que divulgamos uma agressão devemos ter consciência de que ela já agiu primeiro em nosso pensamento, depois, na forma como a manifestamos. Para algumas pessoas não basta o desconforto sofrido com o impacto da notícia, é preciso repassá-la! Agem como quem, com um balde de tinta, sai a caiar cercas, vão respingando parte daquilo que carregam pelo caminho. Agir assim agrava a realidade do acontecido, pois enseja reprováveis reações humanas que acabam por gerar outras manifestações de sentimentos inferiores de revolta ou de indignação, que, não raras vezes, resultam em novas atitudes de violência. Um ciclo aparentemente interminável.
É preciso dar um basta a isso, precisamos de pessoas que falem também de coisas boas; somos bons, somos o resultado da dedicação de pais e de familiares que nos cuidaram, do contrário, nenhum ser humano sobreviveria ao nascimento sem abrigo, sem alimentação ou afetos. Devemos ter o cuidado de não sermos contaminados por noticiários que muito além da intenção da informação, carregam um sensacionalismo barato com o único fito de gerar audiência, e, consequentemente, lucros.
Naturalmente, o convívio em sociedade nos dias de hoje nos exige cautela, prudência, mas não significa necessariamente que precisamos abrir mão do projeto de vida que queremos: todos almejamos felicidade, paz, bem-estar, convívio amoroso em família e fraterno com os amigos. Vivenciam esses momentos, aquelas pessoas que — segundo uma amiga e conselheira psicóloga — têm caráter forte e conseguem aprofundar a busca da sua realidade, descobrindo-se, autoencontrando-se.
Poder adotar um comportamento de autenticidade, preferindo seguir uma linha de coerência de atitudes, fará com que, ao refutar a violência, não a pratiquemos e nem a repassemos. Para isto, é necessário que sejamos mais amorosos, e o caminho, com certeza, começa por olharmos para nós mesmos.

Fonte: César A R de Oliveira – Psicólogo – WhattsApp: 99981-6455


Usina Superior